x
Obrigado por se inscrever!
RECEBA

Câncer de pele

O que é?

O câncer da pele é um tumor formado por células da pele que sofreram uma transformação e multiplicam-se de maneira desordenada e anormal dando origem a um novo tecido (neoplasia). Entre as causas que predispõem ao início desta transformação celular aparece como principal agente a exposição prolongada e repetida à radiação ultravioleta do sol.

O câncer da pele atinge principalmente as pessoas de pele branca, que se queimam com facilidade e nunca se bronzeiam ou se bronzeiam com dificuldade. Cerca de 90% das lesões localizam-se nas áreas da pele que ficam expostas ao sol, o que mostra a importância da exposição solar para o surgimento do tumor. A proteção solar é, portanto, a principal forma de prevenção da doença.

O diagnóstico deve ser feito por um médico dermatologista que pode utilizar aparelho de dermatoscopia digitial

Clique aqui e leia sobre novo medicamento para câncer de pele

Tipos mais comuns

São três os tipos mais frequentes. Eles se originam de diferentes células que compõem pele.

Carcinoma Basocelular: originado das células da camada basal, é o mais frequente e com o menor potencial de malignidade. Seu crescimento é lento e muito raramente se dissemina à distância. Frequentemente aparece com lesões elevados ou endurecidas, esbranquiçadas, rosadas e com ausência de sintomatologia. Numa fase mais avançada, costuma sangrar facilmente e não cicatriza.
Carcinoma Espinocelular: originado das células da camada espinhosa, tem crescimento mais rápido e as lesões maiores podem enviar metástases à distância. Também conhecido como carcinoma epidermóide, é bem menos frequente que o basocelular mas com maior frequência de malignidade. Tem aparência de verrugas ou lesões com cascas ressecadas e que não cicatrizam e sangram com facilidade. Mais frequente nas áreas expostas ao sol. Pode ser oriundo de manchas solares escuras, ásperas e verrucosas provenientes do sol.
Melanoma: É um câncer extremamente perigoso sendo importante o diagnóstico precoce para sua cura. Originado das células que produzem o pigmento da pele (melanócitos) frequentemente envia metástases para outros órgãos, sendo de extrema importância o diagnóstico precoce para a sua cura. Embora os melanomas possam aparecer de repente na pele, muitas vezes eles são associados com uma pinta. Por isso é importante que as pessoas se familiarizem com suas pintas para prestar atenção em suas mudanças. A regra do “ABCDE” pode ser usada para distinguir uma pinta normal de um melanoma.

Os melanomas apresentam as seguintes características:

Câncer de pele

A –Assimetria: Uma metade não combina com a outra.
B – Bordas irregulares: As bordas são irregulares, desfocadas ou entalhadas.
C – Cor: A cor não é uniforme.
D – Diâmetro: Uma pinta com diâmetro maior do que meio centímetro, ou que esteja aumentando de tamanho, passa a ser suspeita e deve ser avaliada.
E – Elevação:
pintas com elevações irregulares sobre a superfície da pele também são mais um indício.

Como evitar

A exposição prolongada e repetida da pele ao sol causa o envelhecimento cutâneo além de predispor a pele ao surgimento do câncer. Tomando-se certos cuidados, os efeitos danosos do sol podem ser atenuados. Aprenda a seguir como proteger sua pele da radiação solar.
use sempre um filtro solar com fator de proteção solar (FPS) igual ou superior a 15, aplicando-o generosamente pelo menos 20 minutos antes de se expor ao sol e sempre reaplicando-o após mergulhar ou transpiração excessiva.
use chapéus e barracas grossas, que bloqueiem ao máximo a passagem do sol. Mesmo assim use o filtro solar pois parte da radiação ultra-violeta reflete-se na areia atingindo a sua pele.
evite o sol no período entre 10 e 15 horas.
a grande maioria dos cânceres de pele localizam-se na face, proteja-a sempre. Não esqueça de proteger os lábios e orelhas, locais comumente afetados pela doença.
procure um dermatologista se existem manchas na sua pele que estão se modificando, formam “cascas” na superfície, sangram com facilidade, feridas que não cicatrizam ou lesões de crescimento progressivo. Faça uma visita anual ao dermatologista para avaliação de sua pele e tratamento de eventuais lesões pré-cancerosas. Estas recomendações são especialmente importantes para as pessoas de pele fototipos I e II, as quais devem evitar qualquer tipo de exposição ao sol sem proteção.

Tratamento
Para o tratamento, na maioria dos casos é indicada a remoção cirúrgica podendo ser tratada com radioterapia. Alguns tipos de tumores basocelulares podem ser tratados também com a terapia fotodinâmica, que é a associação do Ácido Aminolevulínico (ALA) com um laser de diodo ou a Luz Intensa Pulsada.
Fonte: Dermatologia.net

Se interessou por essa solução?

Tire suas dúvidas ou marque sua consulta!