Procure um Médico

Prótese mamária

Prótese mamariaPrótese mamária / Mamoplastia de Aumento

A mamoplastia significa plástica das mamas ou Prótese mamária, seja com a finalidade de reduzir, aumentar ou tratar a flacidez. A mamoplastia de aumento, além do que o nome já diz, promove um ganho na forma e uma melhor harmonia entre a mama e o restante do corpo da mulher.

 

A mama de pequeno volume ou até mesmo ausente traz inúmeros prejuízos a paciente. Na grande maioria delas, ainda na adolescência, observam o desenvolvimento das outras regiões do corpo sem o aumento adequado ou desejado do volume da mama. Por ser uma das principais regiões responsáveis pela sexualidade feminina e pilar importante de atração entre os sexos, o pequeno volume das mama pode levar a prejuízo importante das relações afetivas e inibição psico-social das pacientes.

 

Vale lembrar que as próteses mamárias são sempre posicionadas abaixo do tecido glandular, não causando, dessa forma, interferência no processo de lactação ou de realização de exames habituais da mama.

Anestesia: local com sedação ou geral

Duração: 1h – 2h

Internação: 12 – 24h

 

A cirurgia

De acordo com o volume inicial de cada mama, a posição e tamanho da aréola e desejo da paciente, podemos optar por 3 vias de incisão e 3 locais para posicionamento do implante. As vias podem ser: através de uma pequena incisão no sulco mamário, através de incisão ao redor da aréola ou através de pequena incisão em prega axilar. É importante lembrar que a via trans umbilical não é utilizada em nosso país, pois a prótese mamária necessária para tal procedimento não é fabricada e também não é liberada para uso.

 

Com relação ao local do implante, este pode ser posicionado abaixo da glândula, abaixo da fáscia do músculo peitoral ou abaixo do músculo peitoral. A indicação para cada posicionamento depende da quantidade de tecido prévio de cada paciente e motivos de segurança traçados cirurgião.

 

O volume da prótese mamária e o formato tem caráter misto, subjetivamente a paciente manifesta seu interesse enquanto por outro lado, o cirurgião objetivamente estabelece os limites, o volume mais adequado e harmônico.

As incisões possuem pequeno tamanho e geralmente presentes em regiões pouco perceptíveis, porém o cuidado realizado no pós-operatório é fundamental para o melhor resultado.

 

Após a alta, é recomendando manter repouso relativo por cerca de 15 dias, com controle de movimentos dos membros superiores, uso de sutiã ou faixas axilares por período variável. Exercícios mais leves podem ser realizados por volta do 30 dia na maioria dos casos.

Complicações

Apesar de raras, podem ocorrer: alterações como sensibilidade do mamilo, hematoma, infecção, deiscência (abertura de pontos) e queloides (conforme predisposição individual do paciente).

 

PERGUNTAS E RESPOSTAS

 

  1. A CIRURGIA ESTÉTICA DE AUMENTO DAS MAMAS DEIXA CICATRIZES?

– Toda cirurgia deixa cicatrizes. Felizmente, esta cirurgia nos permite colocar as cicatrizes em locais disfarçados. A cicatriz costuma ser pequena e de boa qualidade, o que somado à uma localização oculta a torna bastante discreta. O tamanho da cicatriz será o menor possível para colocar a prótese de mama, geralmente 4 a 5 cm. Para melhor esclarecê-la sobre a evolução cicatricial, vamos relatar os diversos períodos pelos quais as cicatrizes infalivelmente passarão:

 

a)- PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30ºdia e apresenta-se com aspecto pouco visível. Alguns casos apresentam uma discreta reação aos pontos ou ao curativo.

 

b)- PERÍODO MEDIATO: Vai do 30º dia até o 12º mês. Neste período há o espessamento natural da cicatriz, bem como inicia-se uma mudança de cor, da mesma, passando para mais escuro (do vermelho para o marrom) que vai, aos poucos, clareando. Este período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural da cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois, o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais.

 

c)- PERÍODO TARDIO: Vai do 12º ao 18º mês. Neste período, a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente, atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia, no tocante à cicatriz, deverá ser feita após este período.

 

  1. ONDE SE LOCALIZAM AS CICATRIZES?

– Alguns cirurgiões as situam no sulco formado entre a mama e o tórax. Outros, na área da aréola, e até mesmo na axila. Desde os primeiros dias pós-operatórios poderá ser usado um “decote bastante generoso”, pois, as cicatrizes ficam bastante disfarçadas. Com o decorrer do tempo (vide item anterior), as cicatrizes vão melhorando, chegando mesmo à quase imperceptibilidade, em certos casos.

 

  1. OUVI DIZER QUE ALGUMAS PACIENTES FICAM COM CICATRIZES MUITO VISÍVEIS.

– Certas pacientes apresentam tendência à cicatrização hipertrófica ou ao quelóide. Essa tendência, entretanto, poderá ser prevista, até certo ponto, durante a consulta inicial, quando lhe fazemos uma série de perguntas sobre sua vida clínica pregressa, bem como a análise das características familiares, que muito nos ajudam quanto ao prognóstico das cicatrizes. Geralmente, pessoas de pele clara tendem menos a esta complicação cicatricial; pessoas de pele morena ou orientais têm maior predisposição ao quelóide ou à cicatriz hipertrófica. Isto entretanto, não é uma regra absoluta. A análise dos antecedentes, como já o dissemos, nos facilitará o prognóstico cicatricial.

 

  1. EXISTE CORREÇÃO PARA AS CICATRIZES HIPERTRÓFICAS?

– Vários recursos clínicos e cirúrgicos nos permitem melhorar cicatrizes inestéticas, na época adequada. Não se deve confundir, entretanto, com as características do período mediato da cicatrização. Qualquer dúvida a respeito da sua evolução cicatricial deverá ser esclarecida conosco e nunca com terceiros que, como você, “também estão apreensivos quanto ao resultado final”.

 

  1. QUAL O TIPO DA ANESTESIA UTILIZADA?

– Anestesia geral ou local com sedação assistida. Depende do caso.

 

  1. QUANTO TEMPO DURA O ATO CIRÚRGICO?

– Geralmente de 60 a 120 minutos.

 

  1. QUAL O PERÍODO DE INTERNAÇÃO?

– O período de internação varia de 10 a 24 horas.

 

  1. QUANDO SÃO RETIRADOS OS PONTOS?

– Geralmente são utilizados pontos que não necessitam ser retirados, pois são absorvíveis.

 

  1. SÃO USADOS DRENOS NA MAMOPLASTIA DE AUMENTO?

– Drenos de aspiração podem ser usados para evitar o acúmulo de secreção ao redor da prótese da mama. Geralmente são retirados entre 24 e 48 horas depois da cirurgia.

 

  1. QUANDO PODEREI TOMAR BANHO COMPLETO?

– Geralmente após dois dias. Antes disso, entretanto, poderá ser tomado o banho quase normal, observando-se apenas os cuidados especiais que serão ensinados.

 

  1. QUANDO PODEREI RETORNAR À ATIVIDADE FÍSICA?

– Geralmente após 30 a 60 dias, com exercícios progressivos.

 

  1. O PÓS-OPERATÓRIO DESTA CIRÚRGICA É DOLOROSO?

–  Geralmente não, desde que você obedeça às instruções médicas, principalmente no que tange à movimentação dos braços, nos primeiros dias. Eventualmente poderá ocorrer manifestação dolorosa, que facilmente cederá com os analgésicos receitados.

 

  1. HÁ ALTERAÇÕES DE SENSIBILIDADE DAS MAMAS APÓS A CIRURGIA?

– É comum alguma alteração da sensibilidade após a introdução da prótese mamária. Geralmente há um retorno progressivo da sensibilidade das mamas até a normalidade, o que poderá demorar alguns meses.

 

  1. QUAL O MELHOR TIPO DE PRÓTESE MAMÁRIA?

– A prótese mamária pode variar de perfil, de conteúdo e de envoltório. O perfil (forma) pode ser redondo (baixo,moderado, alto) ou anatômico (“gota”), conforme a projeção da prótese mamária. O conteúdo pode ser de silicone ou de soro fisiológico (prótese salina). O envoltório da prótese também pode variar, sendo texturizado ou liso.

A escolha da prótese mamária ideal será feita na consulta médica, quando o cirurgião examinará a paciente e escolherá a melhor prótese para produzir um melhor resultado para o aumento das mamas, que em cada paciente é diferente.

 

15. POSSO ESCOLHER A FORMA DA PRÓTESE MAMÁRIA QUE QUISER?

– Cada paciente difere entre si em relação ao volume, consistência e forma das mamas. Logo, não é porque uma amiga ou modelo colocou certo tipo e volume de prótese mamária que você colocará igual. Uma prótese de 260 ml pode ser ideal para uma paciente de 1,65m, mas poderá ser grande para outra de 1,50m de biotipo magro. Logo, cada paciente tem uma prótese de mama ideal, que será escolhida em consulta após o exame minucioso das mamas e do biotipo da paciente.

 

  1. APÓS A CIRURGIA, AS MAMAS FICAM COMPLETAMENTE SIMÉTRICAS?

– É extremamente importante ressaltar que as assimetrias mamárias são muito frequentes, podendo ser decorrentes do formato assimétrico das mamas ou do tórax (alterações congênitas ou adquiridas como vícios posturais, escolioses, etc). Assim, podemos dizer que a simetria das mamas nem sempre pode ser alcançada pela cirurgia, apesar de termos este objetivo. Se a própria natureza não as deixou idênticas, pode-se imaginar que este objetivo não é tão simples de ser alcançado.

 

  1. COMO FICARÃO MINHAS NOVAS MAMAS, EM RELAÇÃO AO TAMANHO E CONSISTÊNCIA?

– As mamas podem ter seu volume aumentado através da cirurgia. Além disso, almejamos melhorar sua consistência e forma com a intervenção cirúrgica. Assim é que, neste caso, pode-se escolher o novo volume, pois dispomos de vários tamanhos de peças de silicone a serem introduzidas. Existe uma harmonia entre o volume ideal das mamas e o tamanho do tórax, característica esta que deve ser preservada no planejamento da cirurgia. Deverão ser mantidas as proporções entre o volume da nova mama e o tamanho do tórax de cada paciente, a fim de se obter uma maior harmonia estética. A mama assim operada, passará por vários períodos evolutivos:

 

a) PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30º dia. Neste Período, apesar das mamas se apresentarem com aspecto bastante melhorado, sua forma e volume ainda estão aquém do resultado planejado.

Lembre-se desta observação: //NENHUMA MAMA SERÁ “PERFEITA” NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO//.

 

b) PERÍODO MEDIATO: Vai do 30º dia até o 3º mês – Neste período, a mama começa a apresentar uma evolução que tende à forma definitiva. São características deste período um maior ou menor grau de “inchaço” das mamas; além disso, o aspecto cicatricial encontra-se em plena fase de transição.  Apesar da euforia da maioria das pacientes, já neste período, costumamos dizer às mesmas que seu resultado ficará melhor ainda, pois, isto será a característica do período tardio.

 

c) PERÍODO TARDIO: Vai do 3º mês até o 18º. É o período em que a mama atinge seu aspecto definitivo (cicatriz, forma, consistência, volume, sensibilidade, etc). É neste período que costumamos fotografar os casos operados, a fim de compará-los com o aspecto pré-operatório de cada paciente. Tem grande importância no resultado final, o grau de elasticidade da pele das mamas, bem como o volume da prótese introduzida. O equilíbrio entre ambos varia de caso para caso.

 

  1. A MAMOPLASTIA DE AUMENTO CORRIGE A FLACIDEZ DA MAMA?

– A prótese de mama serve para aumentar o volume da mama, preenchê-la. No caso de um pequeno excesso de pele, será corrigido. Porém, em caso de grande flacidez (ptose-queda), será necessário retirar pele, podendo ou não ser colocada a prótese no intuito de aumentar o volume da mama.

 

  1. EXISTE RISCO DA PRÓTESE DE MAMA ESTOURAR?

– As próteses de mama são de material bastante resistente e distensível. Um trauma teria que ser muito forte para estourá-las. No caso de uma ruptura por trauma, provavelmente a prótese ajudaria a evitar maiores danos ao pulmão e costelas, por atuar como um absorvente do impacto. Neste caso, a prótese poderia ser trocada pela mesma cicatriz da mamoplastia de aumento. Importante ressaltar que devido à consistência coesiva do silicone utilizado nas próteses atuais, caso haja uma ruptura traumática da prótese, o gel de silicone não se dispersará para os tecidos vizinhos.

 

20. A PRÓTESE DE SILICONE PODE LEVAR AO DESENVOLVIMENTO DE DOENÇAS?

– É muito importante a afirmação de que o silicone não foi associado a doenças degenerativas articulares ou ao câncer de mama em diversos estudos. O que ocorre é que ele poderia dificultar a identificação de uma lesão mamária inicial, mas com o controle através da mamografia periódica e o desenvolvimento de técnicas mais avançadas de avaliação, estes problemas são contornados.

 

  1. NO CASO DE NOVA GRAVIDEZ, O RESULTADO PERMANECERÁ OU FICARÁ PREJUDICADO?

– Durante a gravidez a mama aumenta, reduzindo de tamanho após a lactação. Isto leva à distensão da pele, que poderá não retornar ao normal após a amamentação. Caso isso aconteça poderá ocorrer uma ptose (queda) da mama. A prótese em si não sofre alterações com a gravidez ou amamentação.

 

  1.  A PRÓTESE DE MAMA INTERFERE NA AMAMENTAÇÃO?

– Não. Tanto a prótese colocada submuscular, quanto a submamária ficam situadas abaixo da glândula, não interferindo de nenhuma forma no crescimento mamário durante a gravidez e na amamentação.

 

  1. QUAIS OS RISCOS DA MAMOPLASTIA DE AUMENTO?

– Raramente a cirurgia plástica de mamoplastia de aumento oferece complicações sérias. Isto se deve ao fato de se preparar devidamente cada paciente, além de ponderarmos sobre a conveniência de associação desta cirurgia, simultaneamente a outras. O perigo não é maior ou menor que viajar de avião, automóvel, ou atravessar uma via pública.

 

  1. O QUE VEM A SER A RETRAÇÃO DA CÁPSULA?

– É uma retração exagerada da cápsula fibrosa do organismo (que se forma em torno da prótese), que determina certo grau de endurecimento à região, quando palpada. Certo percentual de casos poderá estar sujeito à tal retração; entretanto, se isto ocorrer em grau acentuado, as próteses poderão e deverão ser retiradas, através das mesmas cicatrizes, em ato cirúrgico simples, sob anestesia local. Cirurgião e paciente, poderão ponderar sobre a conveniência ou não da reintrodução de outras próteses ou outra conduta que melhor se adapte ao caso, no mesmo ato ou em tempo posterior. A retração da cápsula nunca reflete imperícia do cirurgião, mas sim, um comportamento anômalo do organismo das pacientes que a apresentam. Os leigos costumam chamar de “rejeição” a contratura da cápsula, porém a mamoplastia de aumento não produz a verdadeira rejeição, por ser o silicone inerte e não levar à produção de anticorpos.

 

  1. QUANDO A PRÓTESE DE MAMA DEVERÁ SER TROCADA?

– A troca das próteses mamárias, hoje em dia, somente é recomendada nos casos de ruptura, deformidades morfológicas, encapsulamento severo, infecção ou desenvolvimento de doenças mamárias incompatíveis com a permanência deste corpo estranho no organismo. O controle mamográfico e cirúrgico rigorosos irá detectar estas alterações, indicando a troca. Não há obrigatoriedade de troca a cada 10 anos.

 

  1. É POSSÍVEL ASSOCIAR OUTRA PLÁSTICA À PRÓTESE DE MAMA?

– Sim. É muito comum a associação de outras de cirurgias plásticas com a mamoplastia de aumento, como, por exemplo, a lipoaspiração e abdominoplastia. A possibilidade de associar mais de duas cirurgias será avaliada pelo cirurgião, tendo em vista a extensão da cirurgia.

 

  1. QUAL A EVOLUÇÃO PÓS-OPERATÓRlA?

– Você não deve se esquecer que, até que se atinja o resultado almejado, as mamas passarão por diversas fases. Se lhe ocorrer a preocupação no sentido de “desejar atingir o resultado definitivo antes do previsto”, não faça disto motivo de sofrimento: tenha a devida paciência, pois seu organismo se encarregará espontaneamente de dissipar todos os transtornos imediatos que, infalivelmente chamarão a atenção de alguma amiga que não se furtará à observação: // SERÁ QUE ISTO VAI DESAPARECER MESMO //? É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser a nós transmitida; daremos os esclarecimentos necessários para sua tranquilidade.

 

IMPORTANTE: Resultados definitivos somente devem ser considerados após 12 meses da cirurgia. As cirurgias de retoques, quando necessárias, serão aconselhadas pelo cirurgião, devendo-se respeitar o tempo necessário para a adequação dos tecidos e acomodação das cicatrizes. Quando realizadas em momento inoportuno, podem não alcançar os resultados desejados. Os retoques não significam incapacidade técnica mas sim uma revisão cirúrgica para se alcançar resultados ainda melhores. Os custos destes possíveis retoques serão cobrados somente em relação às despesas hospitalares e de anestesista. Não serão cobrados honorários da equipe cirúrgica desde que estes retoques sejam realizados no período sugerido pelo cirurgião.

 

Para fins de honorários, será considerado retoque, todo procedimento indicado pelo seu cirurgião seguinte à primeira cirurgia, num período subsequente de 12 meses. Após este período, qualquer intervenção cirúrgica será considerada como um novo procedimento, independente do primeiro, mesmo que nas mesmas áreas.

 

O código de normas e condutas do cirurgião plástico da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica proíbe a exibição de fotos de pré e pós-operatório, mesmo que haja autorização do paciente. A divulgação de preços e condições de pagamento em  meios de comunicação, como jornal e TV é vedada.

 

Adaptado da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica – SBCP